A Vida como dialectica infinita do devir e da razão