A projectividade da ‘trivialização’ (II)