Para quê filosofar? (I), por Pablo Gonzalez