Uma visão hermenêutica de Brandão, por Maria Antónia Jardim